segunda-feira, 28 de maio de 2012

Confissões de um Profeta

Confesso que estou em crise com minha fé.

Confesso que, se nós que somos profetas de Deus, escolhidos para ministrar a verdade não abrirmos nossas bocas para falar a verdade, quem vai falar? Confesso e pergunto: - Onde estão os profetas? - Cadê os grandes pregadores?

Assistir a tudo isso e ver milhares de profetas frouxos e medrosos me doe na alma. Converso com missionários e Pastores da muitas igrejas até mesmo no meu ministério, a maioria acomodados, obreiros que estão no cargo por pura média, não saem uma única vez na semana para evangelizar e depois põe paletó a querem pregar. 

Confesso, tá complicado ver os fiéis sendo levados por qualquer vento moderno em nome de "jesuses cristos". Ver pastores tratando a noiva de Cristo como clientes. Confesso que é horripilante ter que ver pessoas que possuem a sã doutrina não terem a coragem de defender o próprio irmão em Cristo, aliás, não tem a capacidade de viver o evangelho, verdade, se não defendem seu próprio irmão, jamais vão viver o que pregam. 

Confesso aqui queridos leitores, voltamos a pregar que a Palavra de Deus não é um manual para abrir empresa, a Bíblia não é uma cartilha com passos para casamentos sempre felizes e sem provações. Tá cheio de profetinhas que sabem, mas que nada dizem; vêem, mas nada demonstram; discernem, mas em nada confrontam; conhecem, mas tratam como se nada tivesse conseqüências. Não quero ter que ouvir passos de como ter uma igreja cheia. Eu quero Palavra de Deus. Quero chorar com os mais belos hinos da harpa cristã ao ter que convidar alguém que cobre absurdos numa música chula sem compromisso com o Divino.

Não quero ver derramamento de óleo na cabeça dum monte de adultos metidos brincando de pastores, pastoras, bispos, bispas, apóstolos e apostolas, sendo que eles mesmos não se enxergam, e que estão ali só para depois ficar posando e dando autógrafos. Víboras, são escolhidos pela beleza, pelo dizimo alto, compram diplomas de obreiros em faculdades de teologia de fundo de quintal, Verdadeiros obreiros jejuam, oram e Deus levanta.

Jesus está pra fora da igreja. Sim, assistindo o culto lá fora no frio, porque expulsaram-No da igreja. Quem manda agora é o pastor, e tem que ser do jeito dele. Confesso, quero mudança URGENTE, não quero um pastor "playboyzinho" com textos que passou a semana decorando para uma ministração empolgante, quero Palavra revelada com unção de Deus e curas, seguidas de arrependimento. Nada de “levante a mão e adore”, a adoração é para verdadeiros adoradores, não precisa pedir.

Cansam as frases prontas, os conceitos batidos e repetidos, que já não transmitem valor algum. A grande maioria dos púlpitos evangélicos é de uma mesmice estupida. Os hinos reciclam poesias fracas; os sermões começam com impulsos sobrenaturais e terminam com a promessa de bênção. Falsas onipotências. Na corrida pelos primeiros lugares nas olimpíadas dos ungidos, sobram cadeiras vazias na nave da igreja. Não aguento as promessas mundiais, os projetos, as campanhas, que “vão mudar o mundo”. Esses falsos heróis iludem o povo em nome de seus mega milagres. Usam e abusam da boa-fé de quem quer fazer alguma coisa pela humanidade. Os recursos doados com sacrifício pelos fiéis acabam nas contas bancárias secretas na Russia, investidos em mais propaganda, mais sofisticação e nada de obra missionária. Incompetentes, carregam a marca de Caim.

Não tenho mais estômago para ouvir professores de teologia, forjados em seminários de segunda linha, criticando livros que nunca leram ou profetas bíblicos que não conseguem citar nem onde atuaram sendo que tudo está na Bíblia. Tenho medo quando discursam na defesa da “reta doutrina”.

Por tudo isso, considero que, para entender o que está acontecendo, é preciso começar a ouvir a advertência do Livro Apocalipse: “Lembre-se de onde caiu! Arrependa-se e pratique as obras que praticava no princípio. Se não se arrepender, virei a você e tirarei o seu candelabro do lugar dele” (Ap 02.05).


Em Cristo,
Itamar Carrijo

Um comentário:

  1. Meu irmão, muito obrigado pelo artigo. Sou também da Assembléia e me preocupo com o mesmo. Deus te abençoe!!!

    Em Cristo,

    Bruno Henrique Veiga de Souza, 17 anos

    ResponderExcluir