domingo, 20 de março de 2011

Personagens Bíblicos: 011 - Moisés


MOISÉS

Cada um de nós, vez por outra, enfrenta desafios aparentemente impossíveis de vencer. A oposição parece muito grande, entrincheirada e organizada demais. Os recursos, em contraste, parecem muito limitados. Moisés deve ter se sentido assim quando Deus lhe apareceu na sarça em chamas (Ex 03.02) e reagiu à promessa divina com três perguntas e uma objeção – sinais de incredulidade e falta de confiança.

Primeiro, Moisés perguntou: “Quem sou eu?” (v. 11). Essa pergunta revelou uma mudança radical em sua vida. Quarenta anos antes, movido pelo impulso, tomara a iniciativa de vingar um irmão hebreu espancado por um egípcio (Ex 02.11,12). Agora, sentia-se incapaz de realizar a tarefa, embora o próprio Deus o estivesse comissionando. A resposta de Deus foi exatamente a que Moisés precisava ouvir (Ex 03.12), e o futuro líder logo iria descobrir que "um mais Deus é maioria".

A segunda pergunta de Moisés foi: “Que lhes direi?” (v.13). Exigir a libertação de 2,5 milhões de escravos era uma ordem considerável. Moisés precisaria de uma autoridade maior que ele próprio a fim de persuadir o faraó. E Deus novamente concedeu a Moisés o que este precisava (v.14). Ao chamar-se “Eu Sou”, Deus revelou Sua identidade de Deus Eterno que está sempre com o Seu povo. Ele era o Deus de Abraão e de Isaque, descrição que iria repercutir entre os escravos hebreus no Egito.

Ainda hesitante, Moisés fez a terceira pergunta: “E se eles não acreditarem em mim?” (Ex 04.01). Sem dúvida, ele lembrava o que havia acontecido quarenta anos antes. Tentava resolver uma briga entre dois hebreus, quando um deles desdenhosamente perguntou: “Quem o nomeou líder e juiz sobre nós?” (Ex 02.14). Com essas palavras ainda ecoando na mente, é compreensível que temesse a rejeição. Mas Deus prometeu confirmar sua liderança com milagres que iriam convencer até o maior cético do Egito. Bastava ficar do lado de Deus, e não teria com o que se preocupar.

Com a quarta e última objeção, Moisés alegou que não era qualificado para conduzir o povo à liberdade por não ser orador eloqüente (Ex 04.10). Nesse momento, o medo do fracasso foi mais forte que sua memória. Tantos anos se haviam passado desde a última vez que usara suas habilidades de persuasão que acreditava havê-las perdido. Mais uma vez, Deus foi compassivo, prometendo inspirar nele as palavras apropriadas e designando Arão seu auxiliar.

Sem dúvida, Moisés foi um dos maiores líderes da história mundial. Quando Deus o convocava para liderar uma situação difícil, Moisés hesitava – mas depois obedecia. Deus mostrou-lhe um quadro genuíno dos temores e preocupações concernentes à realização daquela grandiosa tarefa, validando suas declarações e depois resolvendo cada uma delas. À medida que as preocupações desapareciam, esvanecia-se também a resistência à visão. A exemplo de Moisés, todos nós enfrentamos desafios árduos e situações aparentemente sem solução. Nesses momentos, precisamos agir da mesma forma que Moisés: analisar a situação, levar seus temores a Deus, ouvir a resposta dEle e depois obedecer.

Em Cristo,
Itamar Carrijo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário