segunda-feira, 7 de junho de 2010

Sabedoria 04-05

O chamado da Sabedoria

Quantos de nós já não olhamos para traz, para as ruínas do fracasso, lamentando: “Eu sabia como fazer melhor! Por que não dei ouvidos aos outros?”. Salomão revela-nos um fato essencial que por vezes passa despercebido ao leitor menos perspicaz sobre o convite à sabedoria.

20 - A sabedoria clama em alta voz nas ruas, ergue a voz nas praças públicas; nas esquinas das ruas barulhentas ela clama, nas portas da cidade faz o seu discurso: 22 - “Até quando vocês, inexperientes, irão contentar-se com a sua inexperiência? Vocês, zombadores, até quando terão prazer na zombaria? E vocês, tolos, até quando desprezarão o conhecimento? 23 - Se acatarem a minha repreensão, eu lhes darei um espírito de sabedoria e lhes revelarei os meus pensamentos. 24 - Vocês, porém, rejeitaram o meu convite; ninguém se importou quando estendi minha mão!
25 - Visto que desprezaram totalmente o meu conselho e não quiseram aceitar a minha repreensão, Eu, de minha parte, vou rir-me da sua desgraça; zombarei quando o que temem se abater sobre vocês, quando aquilo que temem abater-se sobre vocês como uma tempestade, quando a desgraça atingir como um vendaval, quando a angústia e a dor os dominarem. 28 - “Então vocês me chamarão, mas não responderei; procurarão por mim mas não me encontrarão.
29 - Visto que desprezaram o conhecimento e recusaram o temor do Senhor, não quiseram aceitar o meu conselho e fizeram pouco caso da minha advertência, comerão do fruto da sua conduta e se fartarão de suas próprias maquinações. 32 - Pois a inconstância dos inexperientes os matará, e a falsa segurança dos tolos os destruirá; mas quem me ouvir viverá em segurança e estará tranqüilo, sem temer nenhum mal”. (Provérbios 01:20-33)

A sabedoria afirma que rirá da desgraça alheia, (v. 26-27). E ameaça ignorar os que clamarem por ela na hora da aflição e dos problemas (v. 28-32). Palavras de consolo? Dificilmente. À primeira vista, esse é um texto intrigante. A leitura mais atenta, porém, revela um princípio fundamental. Observe a quem a sabedoria ridiculariza e despreza (v. 22). Observe também a condicional no versículo 23 (“Se acatarem a minha repreensão ...”) e o tempo passado nos versículos 24 e 25 (“Vocês, porém, rejeitaram o meu convite [...] Visto que desprezaram totalmente o meu conselho ...”). Em seguida leia o versículo 33 e saiba por quem a sabedoria tem preferência.

Eis o principio essencial da sabedoria: quem se recusar a agir com base no que sabe, rejeitar o conselho sábio e ignorar a sugestão de prudência acabará em desgraça. No desespero da situação, a boa informação que recebeu o perseguirá, e o conselho da sabedoria, que ele resolveu ignorar, lhe soará aos ouvidos como triste sarcasmo. Embora o texto afirme que é a sabedoria quem escarnece, o barulho ecoará no interior da cabeça do insensato. Quando procurar uma saída inteligente do buraco que ele mesmo cavou, não terá sobrado sabedoria alguma.

A visão de longo prazo é uma das características básicas da sabedoria. O tolo vive apenas o presente, enquanto o sábio pensa adiante, nas conseqüências das ações que pratica hoje. Da próxima vez que ouvir alguém dizer: “Eu sabia...”, ou: “Por que não dei ouvidos?”, ou: “Como pude ser tão idiota?”, você imediatamente reconhecerá o cântico da sabedoria-depois-dos-fatos.

A sabedoria está chamando (v. 20-21). Alguns estão ouvindo (v. 33), outros não (v. 21-32).

Em Cristo,
Itamar Carrijo

Nenhum comentário:

Postar um comentário