terça-feira, 23 de março de 2010

Personagens Bíblicos: 008 - Esaú

ESAÚ

Esaú é frequentemente lembrado por haver trocado seu direito de primogenitura por um guisado de lentilhas. Uma estimativa das posses de Isaque faz-nos crer que aquele direito valia uma fortuna. E em um momento (GN 25:29-34) Esaú vendeu tudo a Jacó. Mas a rebeldia de Esaú ia além do que essa transação tola podia revelar. Vários episódios da vida de Esaú permitem-nos enxergar melhor suas ações e seu caráter.

O primeiro é uma declaração sua registrada em Gênesis 25:32. Jacó fez-lhe a oferta, e ele respondeu: “Estou quase morrendo. De que me vale esse direito?”. Não há dúvidas de que Esaú estava com fome, mas morrendo? Dificilmente. Esaú era um tolo por sua incapacidade ou pela falta de vontade de enxergar além do momento. O direito de primogenitura era algo para o futuro. O guisado era para o momento. Mesmo assim ele trocou seu futuro por um momento de satisfação.

Outra declaração, dessa vez acerca de Esaú, revela quanto ele era tolo. “Assim Esaú desprezou o seu direito de filho mais velho” (v. 34). O direito de primogenitura incluía a responsabilidade de levar adiante a benção que Deus concedera a Abraão (capitulo 12) e passara a Isaque, a qual seria transmitida ao filho mais velho de Isaque. Esaú certamente conhecia a história e compreendia a importância desse direito. A questão não era a venda do direito em si, mas o desprezo ao que esse direito representava.

Sua reação contra Jacó, que lhe roubou a benção, mostra-nos mais um lado do caráter de Esaú. Certamente foi errado o que Jacó fez. Esaú tinha todo o direito de estar furioso. Mas o plano de vingança de Esaú consistia em matar o próprio irmão (GN 27:41). Esaú desejava tão intensamente reconquistar o que havia desprezado e vendido, que estava disposto a matar o irmão gêmeo. A intenção de Esaú era mais ímpia que a farsa de Jacó.

Por último, em Gênesis 28:06-09, encontramos um pequeno detalhe que Moisés incluiu na biografia do filho mais velho de Isaque. Esaú casou-se com uma mulher Cananéia somente para magoar os pais. Em vez de considerar o casamento uma união sagrada, como Deus a designara, usou-o como meio para alcançar um fim sinistro. Maalate, a mulher com quem se casou, era um ser humano, mas ele a acrescentou ao seu “estábulo” (a expressão “além das mulheres que já tinha”, em GN 28:09, não é um comentário supérfluo) para acrescentar um marco à sua rebeldia. O irmão de Esaú, seus pais e suas mulheres eram peões do jogo maluco que ele estava fazendo com a vida.

O que estava na raiz dos defeitos de caráter que motivaram muitas das decisões de Esaú? E, mais importante, que controles internos nos impedem de dar ouvidos às vozes “de Esaú” que periodicamente ouvimos dentro de nós? Reflita sobre a observação mais sucinta e reveladora que a Bíblia faz a respeito do caráter de Esaú. Ela é também um grande alerta. Está registrada em Hebreus 12:16, e você, tem o dever de estudar esse texto com muita atenção:
“Esforcem-se para viver em paz com todos e para serem santos; sem santidade ninguém verá o Senhor. Cuidem que ninguém se exclua da graça de Deus; que nenhuma raiz de amargura brote e cause perturbação, contaminando muitos; que não haja nenhum imoral ou profano, como Esaú, que por uma única refeição vendeu os seus direitos de herança como filho mais velho. Como vocês sabem, posteriormente, quando quis herdar a benção, foi rejeitado; e não teve como alterar a sua decisão, embora buscasse a benção com lágrimas.”
(Hebreus 12:14-17)

Fonte [publicações Ed Vida]

Em Cristo,
Itamar Carrijo

Nenhum comentário:

Postar um comentário