segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Personagens Bíblicos: 073 - Pedro

PEDRO

Os Evangelhos dão duas impressões de Pedro a seus leitores. A primeira é que às vezes ele era um personagem comicamente impulsivo. Duas vezes saltou de barcos em boas condições, completamente vestido. Ele desafiava Jesus, falava fora de hora; às vezes, parecia demonstrar mais energia e criatividade do que era apropriado para o momento. Mas são exatamente essa energia e criatividade que estão na base da segunda impressão de Pedro nos Evangelhos.

Pedro era o líder não oficial dos discípulos. Muitas vezes, servia como porta-voz dos companheiros. Era um dos três discípulos do “círculo intimo” de Jesus. E obviamente, após a partida de Jesus, os discípulos buscaram a orientação de Pedro. O relato de Lucas dos primeiros anos da igreja (o livro de Atos) não deixa dúvidas acerca da liderança de Pedro.

Essa combinação aparentemente conflitante de qualidades existe em muitos líderes jovens e pode ser identificada com um termo como “alta energia mental”. Pedro estava sempre pensando, e ele sempre pensava com a visão voltada para a ação. Quando ouvia “pergunta”, ele imediatamente pensava “resposta”. Quando via “problema”, ele pensava “solução”. Quando encontrava “opções”, ele pensava “decisão”. Mas também revelou o lado infeliz dessa mesma característica. Quando ouvia “silêncio”, ele pensava “falar”. Quando encontrava “discordância”, ele pensava “desafio”. “Erro” (pelo menos sua percepção de erro) despertava “correção”. Mas independentemente da situação, o mínimo que ele fazia era pensar, e o seu pensar, inevitavelmente, levava à ação.

Quando era mais jovem, Pedro exercia pouco autocontrole, e suas respostas, soluções, decisões e palavras, muitas vezes podem ser entendidas pelo leitor como fanfarronices. Às vezes, seu comportamento era percebido como insensível, irrefletido e imaturo. Mas, como muitos grandes líderes, Pedro sobreviveu apesar de si mesmo. Com a orientação de Jesus, a mente fértil e ativa de Pedro amadureceu. Por meio de suas experiências, ele desenvolveu um caráter mais temente a Deus e semelhante a Cristo. Esse amadurecimento canalizou sua energia a formas de pensar mais produtivas. Ele coletou, armazenou e fez conexões entre as informações. Ele afiou suas habilidades de argumentação. Pedro se tornou líder porque não tinha medo de tomar decisões. E seu caráter piedoso direcionava as decisões que tomava.

Qualquer pessoa que trabalha sob a condução de um líder que sofre “paralisia por análise” vai apreciar a capacidade de reação rápida de Pedro. Qualquer pessoa que trabalha numa organização em que a regra é a “decisão por meio da indecisão” entende porque as pessoas se sentiam atraídas por Pedro. Ao seguir a vida de Pedro nos Evangelhos e depois ouvir sua voz madura ressoar ao longo de suas epístolas, apreciamos esse homem otimista, cheio de energia, muito inteligente, sempre pronto para agir e de caráter profundo. De fato, o Evangelho de Marcos, que muitos crêem ter sido ditado por Pedro a Marcos, é o Evangelho que retrata Jesus como um homem de ação e urgência. A palavra grega traduzida por “imediatamente” é usada 42 vezes nos 16 capítulos de Marcos.

Quando a igreja estava indo de vento em popa, quando tanto lideres romanos quanto judeus se opuseram a ela, quando os cristãos estavam sendo mortos por causa de sua fé, alguém precisava tomar decisões rápidas e movidas pelo Espírito Santo. E não é difícil imaginar que algumas questões poderiam ter rachado essa frágil organização quando a igreja saltou suas barreiras culturais para incluir judeus de fala grega, depois samaritanos, depois gentios locais e depois ainda asiáticos, gregos e romanos. Pedro era um líder cujo ego era capaz de suportar a ameaça da discordância, do desafio e até de uma decisão errada, pois ele não tinha medo de agir. Ele não era desleixado nem lidava com questões críticas de maneira leviana. Seu caráter piedoso não lhe permitiria fazer isso. Mas não tinha medo de caminhar, e sob sua liderança a igreja conseguiu realizar muitas coisas. Pedro era um líder que tomava decisões relevantes.


Em Cristo,
Itamar Carrijo

Nenhum comentário:

Postar um comentário