terça-feira, 3 de novembro de 2009

Único caminho ...

Respondeu-lhes Jesus: "Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim" (João 4:6)

Acho que poucas coisas irritam tanto os não-evangélicos do que a convicção de verdade que nós temos. Se dissermos que estamos absolutamente convencidos de que a Bíblia é a Palavra de Deus, que Jesus é o único caminho ou que, com certeza, seremos salvos, é quase certo que seremos identificados como pessoas arrogantes e metidas, e teremos a antipatia da "platéia".

O que talvez as pessoas não entendam é que essa convicção não é, exatamente, uma arrogância dos cristãos. Ela é, antes de tudo, uma marca do discurso de Jesus Cristo.

Ao contrário da imagem que hoje temos de Jesus, Ele não era uma pessoa aberta a ter comunhão religiosa com os pagãos ou com quem não servisse ao Deus de Israel. Você nunca vai encontrar Jesus indo a um templo pagão ou mostrando que outras religiões são caminhos que levam a Deus. Muito pelo contrário, como lemos anteriormente, segundo Jesus, "ninguém vem ao Pai senão por mim". Todos os outros caminhos e opções estão excluídas.

Em outras passagens Jesus diz exatamente a mesma coisa: o caminho certo até Deus é Jesus, e nada mais:
- Quem é de Deus ouve as palavras de Deus; por isso, não me dais ouvidos, porque não sois de Deus. (João 8:47)
- Por isso, eu vos disse que morrereis nos vossos pecados; porque, se não crerdes que EU SOU, morrereis nos vossos pecados. (João 8:24)
- Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes o seu sangue, não tendes vida em vós mesmos. (João 6:53)
- Porquanto Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem nele crê não é julgado; o que não crê já está julgado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus. (João 3:17-18)

O que todos estes textos têm em comum? Uma convicção inabalável de Jesus: os que ouvem a minha voz são de Deus e os que crêem em Cristo não são julgados. Por outro lado, quem não ouve a Cristo não é de Deus, os que não crêem em Cristo morrem em seus pecados e estão julgados, quem não comer e beber a carne e o sangue de Cristo não tem vida em si mesmo.

Se nós, cristãos, dissermos a outros que não temos certeza de que estamos no caminho certo e sobre a nossa salvação, então pecamos, porque estamos pondo em dúvida as palavras de Jesus. Se somos cristãos e chamamos a Cristo de Deus, então, nada mais natural do que acreditarmos no que Ele diz, e termos plena convicção sobre o nosso estado...e sobre o estado dos que se recusam a aceitar a Cristo.

Por outro lado, de duas uma: ou Cristo diz a verdade...e é Deus...ou Ele é um mentiroso megalomaníaco, e não deveria ser apontado por minguém como um exemplo de moral. A escolha é de cada um de nós.

Mas, mesmo que você não seja um cristão, pelo menos entenda as implicações lógicas assumidas por aqueles que decidiram acreditar nas palavras de Jesus. O exclusivismo e a convicção de verdade e salvação não são opcionais. Para quem leva Jesus a sério, são valores dos quais não podemos abrir mão. (by Helder Nozima)

Em Cristo,
Itamar Carrijo

Nenhum comentário:

Postar um comentário